Em geral

Tempo de tela para crianças

Tempo de tela para crianças


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

nosso site pode receber uma comissão de links de compras.

Quanto tempo de tela é permitido para crianças?

A American Academy of Pediatrics (AAP) diz que algum tempo na tela é bom para crianças de até 18 meses, mas a organização recomenda limitar as crianças a uma hora ou menos por dia de mídia digital de alta qualidade - e incentiva os pais a se manterem muito envolvidos quando seus filhos estão usando telas.

Com tanta mídia digital direcionada às crianças - de streaming de vídeos a jogos e ferramentas educacionais - os pais se preocupam com razão. Os especialistas agora também enfatizam que quão crianças usam telas é tão importante quanto quantos eles os usam.

Durante anos, a AAP recomendou estritamente nenhum tempo de tela antes dos 2 anos e menos de duas horas por dia depois disso. Mas o grupo revisou suas diretrizes em 2016 para ajudar os pais a fazerem escolhas mais informadas sobre como sua família usa as telas.

Quanta mídia as crianças consomem?

Muito. De acordo com uma pesquisa recente em nosso site, 4 em cada 5 crianças estão assistindo a filmes, programas de televisão ou vídeos online, e 85% das mães permitem que seus filhos em idade pré-escolar brinquem com seus telefones. Metade das crianças ganha seu próprio tablet aos 5 anos de idade. Além disso, 1 em cada 10 crianças entre 5 e 8 anos tem permissão para uso ilimitado da Internet sem monitoramento dos pais.

Pouco ou nenhum tempo de tela pode parecer uma grande meta, mas a realidade tende a atrapalhar as melhores intenções dos pais. Talvez você tenha começado banindo a TV, mas então seu filho em idade pré-escolar encontrou seu iPad e agora está tocando e deslizando como um profissional. Ou talvez as regras que você estabeleceu cuidadosamente com seu primeiro filho tenham sido distorcidas - ou totalmente rejeitadas - no momento em que seu segundo filho entrou em cena.

O tempo de tela aumenta quase que inevitavelmente à medida que as crianças crescem. Descobrir o que é melhor para você, seu filho e sua família é como mexer em um campo minado da mídia, diz Lisa Guernsey, coautora deToque, clique, leia: Leitores em crescimento em um mundo de telas. A tecnologia está se movendo rapidamente e, com tantos novos produtos projetados e comercializados para crianças, os pais muitas vezes acabam se sentindo culpados ou oprimidos.

Isso descreve você? Respire fundo e continue lendo.

O que conta como tempo de tela?

Qualquer tempo que uma criança passa olhando para uma tela eletrônica é considerado tempo de tela. Isso inclui assistir a vídeos e programas de televisão, jogar videogame e usar um computador, telefone ou tablet.

E isso aumenta rapidamente: você pode não pensar duas vezes antes de deixar seu filho mexer no seu telefone ou olhar um livro no seu tablet, e é tentador compartilhar vídeos bobos do YouTube ou fotos bonitas no Instagram. Mas então, na escola ou em encontros, seus filhos podem estar usando dispositivos ou jogando jogos aos quais não têm acesso em casa.

Há uma exceção: se sua família usa o chat de vídeo regularmente para manter contato com parentes distantes, você não precisa contar os chats breves como tempo de tela. O envolvimento em conversas com adultos atenciosos, mesmo por meio de uma tela, permite que as crianças pratiquem habilidades sociais.

Por que o tempo excessivo de tela é um problema?

É preciso argumentar que muito tempo na tela pode ser prejudicial para as crianças. Aqui estão algumas das principais preocupações a serem lembradas.

  • Desenvolvimento social, emocional e comportamental: A maior preocupação dos pais é como o tempo de tela pode prejudicar o desenvolvimento, e há bons motivos para se preocupar. O alto uso da mídia tem sido associado a períodos mais curtos de atenção, hiperatividade, TDAH e comportamento agressivo. Um estudo recente com pré-adolescentes descobriu que passar apenas cinco dias longe de telefones, tablets e computadores melhorou muito sua capacidade de ler pistas emocionais.

    Em um estudo com 2.700 crianças em idade pré-escolar, descobriu-se que crianças que passavam duas ou mais horas diante das telas por dia tinham mais problemas de comportamento e habilidades sociais deficientes. Os pesquisadores também descobriram que as crianças que começam a assistir TV quando são crianças e jovens em idade pré-escolar podem ter mais dificuldade em controlar suas emoções e se consolar quando ficarem mais velhas.

    Mesmo tendo a TV ligada ao fundo, mostrou-se tão perturbador que interfere na interação entre pais e filhos - o que é fundamental para apoiar o desenvolvimento social da criança.

  • Problemas de peso: Estar na frente de uma tela significa que seu filho não está se movendo. Estudos confirmaram que muito tempo de tela contribui para a obesidade infantil e ganho de peso futuro, e reduzir o tempo de tela ajuda a reverter a tendência. Um estudo recente descobriu que o índice de massa corporal de crianças pequenas aumentava a cada hora de tela por semana.
  • Problemas de sono: Quanto mais tempo as crianças passam assistindo às telas - especialmente à noite - menos elas dormem. A AAP alerta contra a manutenção de telas nos quartos das crianças, observando que até mesmo telas pequenas, como telefones e tablets, têm sido associadas à baixa qualidade do sono. A luz emitida pelas telas pode atrasar a liberação de melatonina e dificultar o adormecimento. O conteúdo também é importante: em um estudo recente, os pesquisadores descobriram que crianças em idade pré-escolar expostas à mídia violenta tinham mais problemas de sono noturno.
  • Hábitos não saudáveis: O hábito de muito tempo na tela pode ser difícil de quebrar. Um estudo descobriu que quanto mais tempo as crianças de 4 anos passam assistindo TV, mais dificuldade elas têm de fazer pausas nas telas quando têm 6 anos. À medida que as crianças ficam mais velhas, muitos pais se preocupam com tendências dependentes e viciantes.

Como posso descobrir regras razoáveis ​​para minha família?

O problema para muitos pais bem-intencionados é que as regras que limitam ou proíbem o tempo de tela podem ser rígidas e difíceis de aplicar. O que fazer? Guernsey sugere o uso dos "três Cs" para ajudá-lo a decidir quando o tempo de tela está bom:

  • Contente: O que meu filho está assistindo ou brincando? Ela pode entender o que está fazendo ou potencialmente aprender com isso?
  • Contexto: Como tem sido o dia do meu filho até agora? Nós conversamos e interagimos muito, ou ela está ligada há horas?
  • Criança: Como faz seu criança responde à tela de mídia? Quando o tempo de tela acaba, ela está explodindo com novas ideias e perguntas que deseja explorar? Ou ela fica irritada, ansiosa ou retraída? Por que seu filho é atraído por uma mídia específica e o que ela está ganhando com isso?

“Pensar nos três Cs do momento, quando você está tentando decidir se deixa seu filho brincar com um tablet ou assistir a um programa, ajuda você a fazer escolhas melhores e mais conscientes”, diz Guernsey.

Para identificar suas prioridades e desenvolver estratégias que possam funcionar para sua família, tente usar a ferramenta online da AAP para criar um plano de mídia familiar. Você pode personalizá-lo de acordo com a idade de seus filhos, seus valores e as rotinas de sua família.

Seja especialmente cuidadoso ao usar telas como uma forma de manter seu filho ocupado durante as tarefas, ou como uma ferramenta para acalmá-lo ou distraí-lo quando ele estiver entediado e inquieto. É importante que as crianças aprendam a controlar suas emoções. Dar a seu filho uma tela como uma fuga fácil priva-o de oportunidades de aprender a enfrentar e superar o tédio ou desconforto emocional.

Há algum benefício em aplicativos, jogos ou programas "educacionais"?

Sim - a mídia de alta qualidade pode ajudar as crianças a desenvolver habilidades importantes, e existem alguns jogos e aplicativos excelentes no mercado que oferecem suporte à leitura, matemática e outras habilidades. “Temos algumas evidências muito boas de que as crianças são capazes de aprender com um vídeo ou jogo bem projetado”, diz Guernsey.

A parte complicada, entretanto, é separar as coisas boas das ruins.

Embora muitos programas de TV, jogos e aplicativos afirmem ser educacionais, o termo não é muito útil. No início de 2017, a Apple tinha 80.000 aplicativos colossais em sua categoria de aplicativos "educacionais" e quase três quartos dos mais vendidos tinham como alvo pré-escolares.

Ainda assim, os aplicativos não precisam atender a nenhum padrão para serem comercializados como educacionais, e a maioria é feita sem seguir um currículo ou usar a opinião de especialistas em educação ou desenvolvimento infantil. Você pode tentar avaliar o que é apropriado para a idade e o estágio de seu filho, mas é difícil avaliar o que pode contribuir para o aprendizado real.

Como posso saber a diferença entre mídias educacionais boas e ruins?

  • Visualize antes de jogar ou assistir. Visualize vídeos e aplicativos antes de apresentá-los ao seu filho e escolha aqueles que incentivem seu filho a participar ativamente. Procure elementos interativos que apoiem o aprendizado e o pensamento estratégico. Observe e brinque lado a lado com seu filho para aproveitar ao máximo a experiência.
  • Reforce em tempo real. Para aproveitar ao máximo os jogos de aprendizagem de alta qualidade, preste atenção ao que seu filho está fazendo e reforce as aulas quando o tempo de tela acabar. Por exemplo, se seu filho brinca com um aplicativo que se concentra na identificação de padrões, incentive-o a encontrar padrões em sua casa ou crie um padrão simples com blocos ou outros brinquedos. Se ele assistir a um vídeo ensinando o reconhecimento de letras, ajude-o a reconhecer letras em livros e placas.
  • Procure por histórias e jogos bem elaborados. Evite aplicativos que exijam que seu filho deslize a tela sem pensar ou que apresentem gráficos que distraem. Preste atenção especial aos "pontos quentes", que são oportunidades aleatórias de clicar em coisas que não estão relacionadas à história ou ao jogo. (Jogos e aplicativos gratuitos levantam uma bandeira vermelha porque seu filho pode acabar com anúncios em banner irritantes e às vezes inadequados.)
  • Verifique os comentários.Common Sense Media avalia jogos e aplicativos quanto à adequação à idade e valor educacional, e você pode verificar nossas dicas para escolher jogos de computador, bem como os melhores programas de TV para crianças e os aplicativos mais envolventes.

Os e-books são tão bons quanto os livros impressos?

Mesmo se você estiver usando apenas aparelhos para leitura, seu filho pode estar perdendo. Os pesquisadores descobriram que os livros de histórias interativos podem distrair os pais e os filhos, tornando a leitura em conjunto uma experiência menos agradável e enriquecedora. As crianças e os pais fazem menos perguntas e as crianças têm dificuldade em acompanhar a leitura de um e-book juntas.

Seu filho obterá o máximo de qualquer experiência de leitura se você sentar com ele e conversar sobre o que está acontecendo. ("O que pode acontecer a seguir? Lembra quando você experimentou sorvete de morango também?") Os livros digitais geralmente envolvem muitos botões, luzes e ruídos divertidos, e é fácil se distrair com o dispositivo em vez de se concentrar na história.

A lição aqui é que não há nada de errado com o e-book ocasional, mas continue lendo os livros tradicionais para seu filho. E quando você recorrer a tablets ou aplicativos, tente tratar as histórias da mesma forma que trataria uma história em um livro normal: faça perguntas, faça observações e envolva seu filho.

Quando as crianças terão seus próprios telefones e tablets?

Uma pesquisa de nosso site descobriu que telefones e tablets são comuns entre as crianças: cerca de 85% dos pais permitem que seus filhos de 2 a 8 anos usem seus telefones, e quase metade das crianças dessa idade têm seus próprios tablets. Alguns começam com versões "infantis", como o LeapPad, mas muitos vão direto para a versão real, como o iPad.

Os pais dizem que compram telefones infantis por motivos de segurança e comodidade - eles querem poder contactá-los e saber onde estão. Mas, previsivelmente, as crianças têm interesses diferentes. Suas atividades favoritas são jogar games e assistir a vídeos.

Alguns pais evitam os dispositivos, alguns facilitam deixando uma criança brincar com um telefone antigo, e outros não estão realmente preocupados se a vovó quiser dar a todos um tablet no Natal. Não importa a abordagem que você adote, esteja ciente do que seu filho está fazendo e encontre maneiras de moderar como e quando os dispositivos são usados.

Mesmo que você carregue o tablet de seu filho com o que você acredita serem aplicativos, jogos e e-books apropriados para a idade, a realidade é que os dispositivos podem distraí-los. As crianças são rápidas para pular de um jogo para outro ou simplesmente clicar ao redor. E as telas atraem as crianças para longe do tempo gasto com livros, brinquedos, esportes e brincadeiras ao ar livre, artes e a companhia umas das outras.

Como posso apoiar o interesse do meu filho por tecnologia e codificação?

Claro, queremos que nossos filhos se tornem alfabetizados em tecnologia à medida que crescem. Também queremos nutrir e encorajar as crianças que podem crescer e se tornar o próximo grande inovador em tecnologia. Mas não é apenas uma questão deexpondo crianças para a tecnologia, observa Guernsey, trata-se de ensiná-los a pensar criticamente sobre isso.

As crianças, com a orientação de seus pais e professores, "idealmente, deveriam estar desenvolvendo uma compreensão de como a tecnologia é usada para se comunicar, trocar ideias e construir conhecimento", diz Guernsey. Para isso, você pode reforçar o conceito de tecnologia como uma ferramenta e dar um bom exemplo. "Reserve um tempo para explicar o que você está fazendo em relação à tecnologia", diz Guernsey.

Se você está procurando um mapa e instruções para um passeio em família, mostre a seu filho como é e como é legal. Explique a diferença entre as tecnologias que ajudam você a fazer seu trabalho ou administrar sua vida (como pagar contas online ou usar videoconferência para trabalhar) e aquelas que são meramente divertidas.

Pergunte à escola de seus filhos como eles estão apresentando tecnologia às crianças. Se seu filho demonstrar interesse em saber de onde vem a tecnologia, diga a ele que algumas pessoas têm o trabalho incrível de desenvolver novos programas e aplicativos, algo que ele também pode aprender a fazer.

E se você acha que pode ter um futuro engenheiro de software em casa, dê uma olhada nas aulas de programação e nos campos - e sim, baixe alguns jogos e aplicativos. Mas, primeiro, diga a seu filho para ir brincar um pouco fora.

Dicas para gerenciar o tempo de tela de seus filhos

  • Não dê dispositivos de tecnologia para crianças: Não se sinta pressionado a deixar seu filho usar a tecnologia desde cedo. Seu filho não vai ficar atrás de seus colegas - as crianças descobrem como usar telefones e tablets muito rapidamente. E não há necessidade de deixá-lo ter seu próprio dispositivo. Você terá mais facilidade em controlar o uso de um item para o qual você tem as chaves, por assim dizer, em vez de um que seu filho "possui".
  • Defina limites claros: Seja específico sobre quando e onde as telas são permitidas. Alguns pais reservam 30 minutos antes do jantar - quando você está tentando colocar uma refeição na mesa - para o tempo de tela ou limitam o uso da tela aos fins de semana. Você também pode reservar algumas zonas sem tela, como quartos e a mesa durante as refeições. Encontre um sistema que pareça justo e factível para que todos na família possam respeitar as regras.
  • Fale com seu filho: Faça do tempo de tela uma atividade compartilhada, tanto quanto possível. Preste atenção ao que seu filho está assistindo e brincando e faça perguntas. Tenha um filme em família ou uma noite de jogo e conversem sobre o que viram juntos. Quando seu filho começar a se interessar por mídias sociais, fale sobre segurança, privacidade e cidadania digital.
  • Ofereça alternativas divertidas: Se seu filho está clamando por mais tempo na tela, tenha atividades divertidas à mão para que você não desista.
  • Monitore seu próprio uso de tela: As crianças aprendem por exemplo, portanto, se você estiver respondendo a cada ping e trinado de seu próprio dispositivo, terá muito menos autoridade para limitar o tempo de tela de seu filho. Em vez de percorrer o Facebook sem pensar ou responder distraidamente a e-mails de trabalho enquanto espera na fila ou faz um lanche, envolva seu filho: jogue jogo da velha, tente uma rodada de "espião" ou apenas converse.
  • Configure o controle dos pais: Muitos dispositivos permitem que você limite o que, quando ou quanto eles podem ser usados. Uma mãe ficou impressionada com as opções do Kindle Fire que comprou para seu filho de 7 anos: "Ele tem controles dos pais incríveis, bem como uma seção de Tempo Livre com curadoria de todo o conteúdo apropriado para crianças e sem acesso à Internet", diz ela. . Ela pode até colocar limites de tempo separados para o tempo de jogo e para o tempo de leitura (que ela deixou, sem surpresa, ilimitado).
  • Assuma o controle dos dispositivos: Uma mãe experiente em tecnologia reformulou seu velho tablet para seu filho de 3 anos, estocando-o com jogos que ela aprovou, e ela limita seu uso a viagens de carro - e somente depois que o apelo de livros e adesivos se exaure. Conforme seu filho fica mais velho, certifique-se de possuir as contas e senhas para que possa controlar o que está sendo baixado.
  • Faça um acordo de família: Fale sobre quando e como cada membro da sua família pode usar - ou não usar - telas, discuta sobre segurança digital e cidadania e poste as diretrizes de sua família onde todos possam ver. (Para um plano personalizado, experimente a ferramenta de plano de mídia familiar gratuita da AAP.) Antes de dar a seu filho seu próprio telefone ou tablet, concorde com as regras, coloque-as por escrito e peça a vocês dois que assinem o documento. Inclua horários, locais e consequências do uso indevido.
  • Crie consequências claras: Seu filho desafiou uma regra sobre o uso da mídia? Certifique-se de que ele conhece as consequências com antecedência. Muitos pais tiram dispositivos como punição.

Saber mais:

  • Como seu filho se beneficia de brincar
  • Como criar uma criança imaginativa
  • Aumente o vocabulário emocional do seu filho


Assista o vídeo: Amanhã Saudável 4 O exercício físico e o tempo de tela das crianças (Outubro 2022).

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos